2 de dezembro de 2010

ANDRAGONIA: TALENTO A SERVIÇO DA BOA MÚSICA

Já passando dos seus três anos de existência, a banda formada pelos professores de música Ricardo DeStefano (Vocal) e Cauê Leitão (Guitarra) e pelos produtores Thiago Laurenttes (Guitarra), Yuri Boyadjian (Baixo), e Daniel de Sá (Bateria) surpreende em todos os aspectos!
Principalmente  por conseguirem  fazer Prog Metal sem soar repetitivo ou enjoativo, a banda alia toda a técnica que o estilo pede em suas canções, aliando outros estilos como o Hard Rock, AOR, deixando a sua música mais pessoal e emocional,  fazendo de  seu debut, Secrets In The Mirror, uma das gratas surpresas do ano de 2010!
Nesta entrevista feita com quase toda a banda (a exceção do baterista Daniel), o papo rolou solto , onde produções, produtores, o CD foram alguns dos assuntos abordados que vocês conferem nas linhas abaixo!
Com vocês – Andragonia:

New Horizons Zine: Olá amigos! Vou iniciar a entrevista perguntando sobre uma curiosidade: a banda possui três produtores: o guitarrista Thiago Larenttes, o baixista Yuri Boyadjian e o baterista Daniel de Sá, e dentre os trabalhos que já produziram incluem as bandas voltadas ao mainstream como Hori, Cine, Fake Number, entre outras. Como é produzir um som diferente do que ouvem/tocam e em que ponto elas podem servir como referência no som da Andragonia?
Thiago Larenttes: Produzir bandas de Pop/Rock é muito natural para nós, pois no meu ponto de vista aprendemos mais produzindo um som diferente do que produzir bandas de generos próximos ao do Andragonia, porque através dessa experiência de trabalho podemos obter composições objetivas e mais criativas, ter mais liberdade na criação e usar a simplicidade na música, sem se prender aos elementos do metal progressivo.

New Horizons Zine: E a banda possui além dos produtores, dois professores de música: o vocalista Ricardo de Stéfano e o guitarrista Cauê Leitão. Como funciona o processo criativo dentro de uma banda, que pode ser considerada "universitária"?
Cauê Leitão: O processo criativo funciona de uma forma bem natural e bem prazerosa, onde todos levam suas composições e suas idéias, e com isso toda a banda escuta bastante, e muitas das idéias são modificadas até chegar no resultado que satisfaça a todos. No caso meu e do Ricardo, que somos professores, ficamos muito felizes em colocar nossas idéias onde trabalhamos nas salas de aulas no Andragonia, que é nosso laboratório onde podemos testar e armazenar tudo que aprendemos e ensinamos ao longo dos anos...

New Horizons Zine: Vocês lançaram um vídeo para a música Undead. Conte-nos como foi o processo de gravação e se vocês acham que este tipo de divulgação ainda é funcional?
Ricardo DeStefano: Sem dúvida é super funcional! Na verdade, hoje em dia, com os canais de vídeo como Youtube, a visibilidade da banda é muito maior, basta entrar no site , procurar pela banda e assim, alguém em alguma parte do mundo já está vendo e ouvindo a banda. Além disso, conseguimos, no final de agosto, colocar o vídeo na programação da MTV, o que aumentou muito a visibilidade da banda.
Gravamos o vídeo no teatro Commune, na Rua da Consolação. Nós gravamos o vídeo em pouco mais de 3 horas, já que tínhamos pouco tempo para entregar o teatro. Então, tivemos que chegar no local já ligados no 220V. Foi muito divertido!

New Horizons Zine: Vocês são uma banda que faz Metal Progressivo, um estilo que hoje é muito mal visto pelas pessoas devido ao excesso de virtuosismos que a maioria das bandas insere nas canções, mas vocês vão na contramão, pois, ouvinfo o CD, nota-se que todos os elementos que ultilizam são apenas o que as canções "pedem". Queria a opinião de vocês sobre o que acham em da cena Prog hoje e quais bandas destacariam?
Ricardo DeStefano: A cena prog saturou um pouco de uns anos pra cá, com muitas bandas fazendo praticamente a mesma coisa.
Quando começamos a compor para o “Secrets”, tínhamos em mente explorar mais as melodias, deixar o som mais voltado para o público “leigo” e não somente para os músicos ou apreciadores do Prog Metal. Claro que abrimos espaço para o virtuosismo, mas sempre na hora certa. Um exemplo do que estou falando, está na faixa “Undead” que possui um instrumental bem complicado para se tocar, mas fica marcado pelas fortes melodias, principalmente no refrão.
Cauê Leitão: Gostamos muito do virtuosismo, mas sem exageros e sem deixar a música chata e maçante para os ouvintes, procuramos fazer um Prog Metal direto onde chegamos, damos o recado e os ouvintes entenda. No meu caso, eu cresci ouvindo guitarristas virtuosos e amo isso, só que tento fazer de uma forma mais simples e direta... Uma banda que se destacou muito de um tempo pra cá foi a Freak Kitchen, onde o guitarrista e vocalista Mattias “IA” Eklundh explora idéias muito diferentes e muito interessantes que não é comum de se escutar (o cara é pirado – risos)!

New Horizons Zine: Algo marcante no som que fazem é que vocês nos remetem a década de 90 e nos fazem vir a cabeça nomes como Fates Warining, Dream Theater, Rush, Shadow Gallery, além do bom e velho Hard Rock. Queria saber se vocês concordam com a comparação e o que acham destes trabalhos dos anos 90?
Ricardo DeStefano: Muitos desses grupos tem trabalhos maravilhosos mesmo, que muito nos influenciaram! Também temos infuencias de bandas clássicas com Iron Maiden, Purple, Metallica, Megadeath, Savatage, Journey, etc, e muita coisa moderna também, principalmente na parte de melodias e timbres. A parte do Hard Rock entra principalmente na voz, já que vim dessa escola também e, de certa forma, transparece na hora que estou cantando.

New Horizons Zine: O álbum Secrets In The Mirror é conceitual. Como surgiu a idéia de desenvolver este tipo de conceito para o CD e quais as dificuldades de fazer um trabalho com esta temática?
Yuri Boyadjian: O SITM se tornou um álbum conceitual à medida em que fomos escrevendo as letras. Em nenhum momento antes do álbum pensamos nisso... foi algo que aconteceu. Notamos que havia intertextualidade entre algumas das músicas e decidimos apontar de vez pra esse lado. Músicas como “Draining My Heart”, “Secrets in the Mirror” e “Shadowmaker” vieram antes disso. Aí, quando resolvemos direcionar para o enfoque conceitual já pudemos fazer de forma intencional, como na “Pull the trigger”, aonde é citado um verso da “Shadowmaker”, e na “Silent Screams” aonde o protagonista se encontra com a sua consciência.
O que torna mais difícil escrever algo assim é criar uma historia com começo, meio e fim, tendo que encaixar tudo em atmosferas e harmonias que nem sempre tem a mesma intenção inicial. É um processo muito desafiador, mas o resultado compensa muito.
Quanto à temática, não tivemos tantos problemas, pois falamos sobre desilusões, casos mal resolvidos, escolhas erradas... enfim... tudo que faz parte da vida de qualquer ser humano. O que fizemos foi potencializar algumas dessas experiências na pele de um personagem e transformar isso em canções.

New Horizons Zine: Ainda falando no debut, ele conta com a participação do vocalista BJ (Tempestt/Jeff Scott Soto) em uma faixa. Como surgiu a oportunidade e o que acham das bandas que ele toca e participa?
Ricardo DeStefano: O BJ é um excelente músico e um grande amigo meu! Sempre quis ter a voz dele em algum projeto que eu estivesse fazendo parte. Quando estávamos gravando, pensamos em ter alguém que pudesse dividir comigo os vocais em alguma faixa, e na mesma hora lembrei dele e a banda concordou! Ai, fiz o convite para el, que topou na mesma hora! Foi uma experiência maravilhosa, pois ele colocou a sua interpretação na música, não se limitando apenas a gravar o que estava combinado. A sua dinâmica de voz e interpretação caíram como uma luva para a música e a proposta da mesma. Além disso, a troca de experiência foi muito rica, uma grande escola mesmo! Adoro a banda Tempestt e, como vim da escola do Hard Rock, óbvio que adoro seu trabalho na banda do Jeff Scott Soto!

New Horizons Zine: Essa pergunta é para os produtores Thiago Larenttes (G), Yuri Boyadjian (B) e Daniel de Sá (D): Quais os produtores do Brasil e exterior que mais gostam e citem (apenas 1) trabalho que gostariam de ter produzido.
Thiago Larenttes: Aqui no Brasil temos poucos produtores de Rock/Metal consagrados, além disso, essa profissão não é muito reconhecida por aqui, mas temos o produtor Rick Bonadio, conhecido por produzir artistas como Mamonas Assassinas, Charlie Brown Jr, NxZero, CPM 22, e também o Brendan Duffey, com um portfólio recheado de nomes como Linkin Park, Maroon 5 e Black Crowes, é um produtor californiano, que está produzindo bandas de renome na cena do metal nacional, já no exterior, temos o Robert John “Mutt” Lange, já trabalhou em produções de bandas como, AC/DC, Nickelback e Def Leppard, e também o produtor Ben Grosse , famoso por trabalhar com, Marilyn Manson, 30 Seconds to Mars e Alter Bridge(N.do R.: Que também produziu Destructive Device dos brasileiros do Mindflow), gostamos muito da produção e mixagem dos discos do Nickelback, “Dark Horse” é um álbum que gostaria de ter produzido.
Yuri Boyadjian: Eu gosto muito dos trabalhos do Fleming Rasmussen com o Metallica. Acho que os acertos dele principalmente no Master Of Puppets e no ...And Justice for All (apesar de eu não gostar muito da mixagem deste último) foram sensacionais. E o próprio Bob Rock pela ousadia que teve ao produzir o Black Álbum, também do Metallica. Muita gente fala mal, mas é um álbum extremamente bem produzido e bem pensado. Algo, até então, inimaginável para uma banda de Thrash Metal. Ele colocou muita coisa em jogo, mas provou estar certo, tanto que o Black Album é um dos discos mais vendidos da historia, batendo a marca dos 22 milhões de cópias.
Um Trabalho que eu gostaria de ter assinado como produtor é o “Accident of Birth” do Bruce Dicknson. O Roy Z fez um trabalho muito acima da média neste disco. Os timbres e a mixagem são incríveis!

New Horizons Zine: No dia 30 de junho, houve uma Listening Session promovendo o debut de vocês Secrets In The Mirror para a imprensa, onde além da audição, vocês fizeram um Pocket Show apresentando algumas músicas do CD. Qual a interação das pessoas com o trabalho da banda e o que acham deste tipo de evento?
Yuri Boyadjian: A Listening Session foi algo realmente fantástico. Pudemos conhecer algumas das pessoas mais importantes do cenário musical e mostrar um pouco do nosso trabalho. Todos os comentários sobre o evento foram altamente positivos. Mostramos também uma nova roupagem às músicas mais antigas da banda, numa versão sem guitarras. Quem já conhecia as músicas achou bem interessante e original, pois não simplesmente tocamos as musicas com violão ao invés de guitarras. Nós realmente nos preocupamos em rearranjar as músicas e principalmente as linhas de voz, que não poderiam ser tão agressivas.O lançamento oficial do clipe de “Undead” também ocorreu nesse evento e serviu de termômetro para sabermos que tinha chance de agradar ao público.

New Horizons Zine: Conte-nos como estão os shows de divulgação e se há planos para apresentações em outros estados.
Cauê Leitão: Acabamos de lançar nosso álbum Secrets in The Mirror e começamos os shows de divulgação e concerteza a planos de irmos para outros estados e divulgá-lo ao máximo, quem quiser contratar nosso show é só entrar em contato... Muito Obrigado

New Horizons Zine: Antes de encerrar, há pouco tempo fora confirmada a participação da banda no CD Tributo Ao Stress, um dos desbravadores do Heavy Metal no Brasil. Conte nos a importancia de participar deste tributo e queria saber se vocês já conheciam o trabalho do trio paraense?
Thiago Larenttes: Não conhecíamos o trio paraense, para nós foi um grande desafio fazer uma versão da música “Heavy Metal” quando ouvimos pela primeira vez, de cara não queriamos manter a sonoridade daquela época, portando queriamos deixar a música bem moderna, trazendo todos os recursos que temos hoje, mapa de música diferente, bit diferente, uma estrutura nova para os arranjos e linhas vocais, para que soasse Andragonia.

New Horizons Zine: Muito obrigado pela entrevista! Deixem um recado para os leitores do New Horizons Zine!
Ricardo DeStefano: Muito obrigado pelo espaço galera! Confiram o trabalho do Andragonia bem como de outras bandas da cena nacional. Precisamos continuar contando com o apoio de todos vocês!!!
Cauê Leitão: É isso ai galera muito obrigado e estamos muito felizes pela aceitação do nosso álbum Secrets in The Mirror e quem ainda não tem por favor providenciem (risos)! Estamos trabalhando duro e muitas novidades estão chegando...Valeu!
Thiago Larenttes: Valeu pela força pessoal!! Contamos sempre com vocês. Abraços!
Yuri Boyadjian: O metal nacional tem ótimas bandas. Elas precisam ser ouvidas! Se você está lendo essa entrevista é porque realmente procura por algo novo. Contagie a todos com isso e garanto que teremos uma cena muito mais forte, com mais bandas e melhores shows. Obrigado e um abraço a todos!

Fotos: Divulgação
Entrevista: João Messias THE ROCKER