28 de dezembro de 2011

2011: PARA FICAR NA MEMÓRIA ...

Não poderia de deixar de escrever essas considerações finais sobre este ano!

Só tenho que agradecer a todos os amigos do Universo do Rock And Roll pelas coisas boas que ocorreram, seja devido aos shows (que aconteceram aos montes), as novas amizades conquistadas e os antigos que permanecem até hoje!

E principalmente pelo ano maravilhoso do blog, pois desde julho (mês de aniversário) os acessos aumentaram muito e vem se mantendo constantes. E com esse feito o blog conseguiu algo que era buscado desde a sua fundação em 2007: Ser um veiculo consolidado no cenário Rock/Metal!

Claro que agora é a hora de manter essa crescente, e já nos primeiros dias de 2012 teremos matérias especiais, aguardem que todos irão curtir!

Abraços a todos, um feliz Ano Novo e nos encontramos em 2012!

9 de dezembro de 2011

MAYAN E MELLINNE: AGRESSIVIDADE COM TOQUES FEMININOS

Mark Jansen (MaYaN)
Foto: João Messias THE ROCKER
O Mayan é um superprojeto que conta com membros e ex membros das bandas Epica, After Forever, Delain, entre outras, lançou neste ano o álbum Quarterpast, que consegue unir elementos do Progressivo e Metal Extremo (o que não é surpresa, pois ambas as bandas foram adicionando estes elementos com o tempo), mesclando passagens densas com alguns interlúdios operísticos. Tudo com muita coesão e sensibilidade, tendo uma música forte, intensa e intrincada, e que merece ser ouvido com toda a atenção.

 A tour que passaria por outros estados como Curitiba e Rio de Janeiro, teve como único show este realizado em São Paulo, dia 26 de novembro, no já tradicional Carioca Club, que de uns anos para cá vem sendo o reduto da nação de Rock/Metal em São Paulo.
Cheguei por volta das 18h30, e a banda de abertura, Mellinne, de São José dos Campos já fazia o seu show, que mostrou um Metal Melódico/Progressivo bem estruturado, que se destacou pelo entusiasmo dos seus músicos e pela beleza da vocalista Christie Mary.

A banda levou músicas próprias e uma boa versão para The Trooper, dos britânicos do Iron Maiden, e que apesar do pouco tempo e do som não estar tão bom, conseguiram passar bem o recado.

Passados poucos instantes, o MaYaN iniciou a sua apresentação, e era visível o entusiasmo dos músicos, principalmente Mark Jansen, que nesta apresentação atuou apenas nos vocais, e se mostrou um excelente frontman, com uma postura insana, agitando sem parar e esbanjando potência nos vocais ora berrados, ora guturais, com o público (que compareceu num ótimo número) respondendo a altura. Mas o que estava bom ficou muito melhor quando entraram no palco as divas Floor Jansen (After Forever), Simone Simmons (Épica), Laura Macri, e o vocalista Henning Basse (Metalium, Sons Of Seasons) com seu visual Jack Sparrow, onde cada um ao seu estilo deu um contraste todo especial a apresentação.


Floor Jansen (MaYan)
Foto: João Messias THE ROCKER

E a apresentação caminhava para ser uma das melhores do ano, pois as músicas soam mais brutais e diretas, como Symphony Of Aggression, The Savage Massacre, Quarterpast e Course Of Life, que deixaram muitos headbangers com os pescoços doloridos com sons tão fortes e intensos, com destaque para a alternância de vozes entre Jansen e Basse, esse numa linha próxima do Metal Tradicional e o trio feminino auxiliando nos backing vocals e em algumas linhas principais.
Em Essenza de Ti, era a hora de Laura Macri mostrar seus dotes operísticos, que deixou muitos marmanjos babando pelo seu vozeirão e pela sua beleza. E após esse momento mais tranqüilo, a banda mandou Celibate Aphrodite, que depois entrou para um momento diferente do show, quando Henning Basse mostrava a camiseta do Iron Maiden, e aí a dica foi dada com a banda mandando um medley da Donzela de Ferro, com trechos de The Number Of The Beast, The Trooper, Fear Of The Dark e Run To The Hills, que embora tenham sido executadas com maestria, com direito a bumbos duplos do baterista Arien Van Weesenbeek, e de ter levado o público ao delírio, achei desnecessário levarem esses covers. Poderiam ter levado sons do Metalium, visto que a mesma tem muitos fãs por aqui!

Mas após esse momento nostálgico, a banda caminhava para o final da primeira parte da apresentação com Bite The Bullet e Drown The Demon, onde a banda saiu ovacionada, aliás, a resposta do público ao som da banda era algo digno dos gigantes do Rock.

E no bis, claro, Laura Macri nos brindou com mais um pouco da sua voz e beleza em O Sole Mio, e depois as pedradas Way On Terror (que possui um clipe de fortes emoções) e Sinner's Last Retreat, já com todos os integrantes no palco.

Mas ainda tinha mais, e para infartarem os fãs do Épica, o tecladista dá lugar a e Simone Simmons vem a frente do palco para executarem Cry For The Moon, numa versão mais pesada. Só que a apresentação ainda contou com Floor Jansen cantando Follow In The Cry do After Forever, mostrando que os problemas que a vocalista teve no passado foram superados e sua voz continua excelente!
Simone Simmons (MaYan)
Foto: João Messias THE ROCKER

E infelizmente chegou ao fim a apresentação dessa superbanda, que pelo material apresentado em Quarterpast e pelo poder de sua apresentação, tem que continuar a sua história lançado discos e fazendo tours.

Só fica um recado, assim como o público fez muito bem a sua parte neste show, nós como pessoas que apóiam o Metal Nacional, devemos fazer o mesmo em apresentações com as bandas nacionais como a, Ecliptyka, Shadowside, Torture Squad, Diafanes, Korzus e muitas outras.

6 de dezembro de 2011

CURSO DE MARKETING PARA BANDAS: AQUI NINGUÉM FICA DE EXAME

Imagem extráida do site:
http://www.topcomcursos.com.br/
Na primeira vez que fora realizado o curso, tinha ficado muito chateado por não ter conseguido ir, mas quando soube que aconteceria novamente, tratei de fazer logo a minha inscrição e pensei comigo: a hora chegou!

Depois de um mês de ansiedade, veio o grande dia, e posso lhes garantir que o conteúdo direcionado ao curso é algo excelente não apenas para as bandas, mas para todos que querem seguir carreira no rock, seja na área de Assessoria de Imprensa, Publicidade, Fotografia e Jornalismo, até porque nem todos os fãs do estilo pensam em montar uma banda.

O curso foi dividido em duas partes nas quais eu chamo de Razão e Emoção, onde a primeira, a "Racional" foi com o Publicitário Alan Albuquerque, produtor do programa To No Palco, onde o mesmo explicou sobre as etapas de Planejamento, Criação de um Nome, algumas coisas de marketing, onde foi mostrada inclusive a Analise Swot (quem estudou Planejamento sabe do que estou falando), importância do uso das cores, fotos, além da coisa mais importante: o profissional tem de ser um empreendedor, e seguir com a sua banda, projeto, revista como um modelo de negócio!

Só que o interessante é que todo esse conteúdo foi passado de uma forma clara e transparente, onde até quem não viu este tipo de matéria anteriormente conseguir gravar sem traumas.

Já a segunda parte, a "Emocional", foi aplicada por Fabrício Ravelli, e um dos diretores do programa To No Palco, além de ser baterista da banda Imbyra, além de ter feito parte das bandas Hirax, Salário Mínimo, Scars, Harppia, entre outras, contou de sua experiência de quatro anos no exterior, onde pode perceber o porque das bandas independentes conseguem viver lançando seus trabalhos e ao contrário do independente no Brasil, lá fora as bandas VIVEM de sua música, e não SOBREVIVEM.

Outro aspecto interessante abordado pelo músico e empresário foram o Big 4, explicando o porque das bandas terem feito este grande acontecimento do Thrash mundial, não apenas por dinheiro, mas pela União para que este grande evento ocorresse, e que isso deveria servir de exemplo para a cena nacional, lembrando alguns conceitos do Cooperativismo, além da idéia  sobre as bandas de diferentes regiões do país criarem um intercâmbio entre elas.

Enfim, as dicas deste curso foram muito importantes, pois falando por mim, mesmo estando há muitos anos no meio, sempre escrevendo, acompanhando shows e trabalhos de bandas mainstream e underground, percebi que algumas coisas importantes eu havia deixado de lado e outras eu não estava fazendo da forma correta, o que me deixou muito animado para levar este blog de maneira mais profissional e com mais atenção aos detalhes. Como é bom rever certos conceitos...

Para encerrar é interessante dizer duas coisas: que o curso é altamente recomendado as pessoas que vêem a música muito mais que diversão e sim um modelo de negócio e que os professores sisudos das universidades deveriam se conscientizar que os rockers com seus cabelos compridos e roupas pretas podem sim ser grande empreendedores!

Se você quiser saber mais, entre em contato através dos links abaixo: