4 de outubro de 2016

THRASH METAL NA ÁREA

Mineiros apostam no Thrash tradicional no EP Manipulation for a Tragedy

Por João Messias Jr.

Manipulation for a Tragedy
Divulgação
Chega a ser assustadora a qualidade dos materiais que as bandas apresentam hoje. Não digo apenas por causa da questão tecnológica, que nos colocou no mesmo patamar das bandas estrangeiras, principalmente no quesito musical, onde os músicos evoluíram (e evoluem) de forma magistral.

Como os mineiros da Demolition. Formada em 2014, dois anos após o início das atividades, soltaram o primeiro material da carreira, o EP Manipulation for a Tragedy. Musicalmente Zenn Augusto (voz), Gabriel Vieira (guitarra), Junior Silveira e Wagner Oliveira (bateria) bebe na fonte do Thrash americano, cuja sincronia instrumental chama muito a atenção. Um exemplo são as trabalhadas Infected Face e Influence.

Manipulation também merece ser citada. Apesar de mostrar as características das músicas anteriores,, ela é mais direta e com um refrão feito para os palcos.

O não emplaca são os vocais de Zenn (que deixou o grupo), que seguem uma linha próxima a bandas como Vio-Lence e Sacred Reich. Estilo que se perde a mão, tira o brilho do trabalho, como ocorre em todas as faixas do EP.

Ainda mais se levarmos em consideração que a banda acertou na produção e estampa o trabalho com uma capa chamativa que olhando de perto se percebe muitos detalhes. Pena que ela não enumerou esses detalhes na ficha técnica do trabalho.

A verdade é que, acertando os detalhes, pode cair nas graças (e coração) dos thrashers, pois a banda possui bons músicos e capacidade para fazer um excelente sucessor deste EP.