23 de outubro de 2017

ÚNICO

Melodia, rispidez e passagens atmosféricas atingem ápice musical em novo trabalho do grupo

Por João Messias Jr,

Magna Adversia
Divulgação
Quem olha as fotos do experiente quinteto brasileiro, pode pensar 
que estamos diante de um grupo tradicional de black metal. Impressão injusta, pois o que a banda que conta hoje com T. Sword (voz), Mantus (guitarra), Ristow (guitarra), Vulkan (baixo) e Abyssius (bateria) engloba diversos elementos do estilo. Desde a agressividade dos primórdios dos tempos de Venom e Mayhem até o lance pomposo que ficou popularizado por formações como Dimmu Borgir e Cradle of Filth.

Sem ser cópia de nenhum dos grupos citados acima, o quinteto atingiu seu ápice criativo, criando um instrumental denso e pesado e vocais que ficam entre a rispidez e o desespero. Características que por si gerariam tranquilamente um material interessante, mas temos mais. Melodias sinfônicas e soturnas agregam mais ao material, o tornando mais mórbido e melódico.

Todos os elementos citados aparecem logo de cara em Infidels. Interessante que essa combinação de nuances gera um ritmo denso e hipnótico, que nos faz querer saber o que virá pela frente. A seguinte, Axis, as guitarras soam como uma sinfonia, enquanto Heartless soa como um hino de guerra graças a levada marcial.

A Two-Way Path figura entre os pontos altos do disco, graças ao seu andamento lento e sinfônico que ganha partes doom.

Acha que ouviu tudo? Communion tem partes que combinam o atmosférico e o folk, assim como Now I Bleed. Já Porcelain Idols é intensa e forte como seu título, que não se faz necessária a tradução, que faz a ponte perfeita para a faixa de encerramento.

Com os teclados a frente, Magna Adversia combina o etéreo e o brutal com melodias grudentas com vocais desesperadores que ficaram ao fundo, dando o contraste e a beleza necessária para a coroação desse belo trabalho.

Muito bem produzido pela banda e co-produzido por Oystein G. Brun (Borknagar) e uma arte de impacto, feita por Marcelo Vasco (que é o próprio Mantus) são o complemento necessário que fazem deste trabalho um dos melhores álbuns de 2017.

BRUTAL ELEGÂNCIA

Mix de black metal e heavy tradicional é a grande sacada da banda pernambucana

Por João Messias Jr.


Engraçado como são as coisas, vivemos uma época de quem ouve estilo  X, não pode escutar denominada linha musical Y e com isso vivemos uma cena musical no rock com infinitas segregações e com isso, muitas correntes radicais.

Até aí, tudo bem, mas se partirmos de que o rock é um estilo que se formou por ramificações como o blues, jazz, soul e o gospel, perceberíamos que essas divisões são uma bobeira sem fundamento, pois são das misturas que se saem coisas novas.

Tudo isso foi dito para citar a banda pernambucana Elizabethan Walpurga, que somente após 23 anos de luta, soltou seu debut, o álbum Walpurgis Night. É clichê dizer, mas a espera valeu a pena, pois o quinteto formado por Leonardo Alcântara (vocal), Breno Lira (guitarra), Erick Lira (guitarra), Renato Matos (baixo) e Arthur Felipe Lira (bateria) passeia com maestria pelo black metal e o heavy tradicional.

Fusão que aparece de forma marcante em Vampyre. Dona de solos empolgantes vocais desesperados, comandadas por um ritmo cadenciado e muita melodia. Características que aparecem também em Clamitat Vox Sanguinis essa com um "agravante", um show das dupla de seis cordas.

O resultado é tão empolgante que nos faz pensar que os caras jogaram o melhor logo para o início. E como é bom se enganar com isso. Os caras não só deixaram a peteca cair como mostraram mais uma bela sacada em The Elizabethan Dark Moon. Dona de um refrão lento que contrasta com passagens mais ríspidas e um clima folk que evidencia a criatividade dos caras.

Walpurgisnacht com seus sete minutos além de ser a saideira do álbum mostra uma espécie de síntese do que é o disquinho, que não apenas passou o recado com maestria, como surpreendeu. 

PARA QUEM SENTIU SAUDADES...

Sonoridade voltada ao metal melódico e temática voltada a doutrina espírita são os atrativos do disco

Por João Messias Jr.

The New Age of KARYTTAH
Divulgação
Se você que está lendo essa resenha e for fã de bandas como Angra, Wizards e Stratovarius, tem tudo pra ser fã do Karyttah. A one man band formada por Fabio Loffs (vocal, guitarra, baixo e bateria programada) mostrou personalidade ao resgatar o metal melódico, cujo ápice ocorreu entre 1990 a 2000.

Só que Loffs (que contou com muitos músicos convidados) não criou um pastiche do estilo que consagrou os grupos citados no primeiro parágrafo, pois apesar dos bumbos duplos na velocidade da luz e vocais agudos, temos um disco competente.

Casos da climática New Age, que tem momentos que esbarram no rock progressivo e Never Say Never, essa uma curiosa mistura de Helloween com Gotthard. Claro que temos as faixas características do estilo como a faixa que nomeia o grupo. Essa leva ao leitor aos tempos dos Keepers, além de contar com um refrão que cola na mente.

Porém a temática é outro momento digno de nota. Ao invés de dragões e duendes, temos um conteúdo lírico baseado na doutrina espírita com temas baseados no amor ao próximo e a caridade (palavra que inspirou o nome da banda). Conteúdo que pode ser lido no encarte, por meio das citações e letras traduzidas.

Se você foi um daqueles caras que se emocionaram com lançamentos como Visions (Stratovárius), Wizards (Wizards) e Angels Cry (Angra), corra atrás. Além de ser brindado com um conteúdo lírico primoroso, direto e sem as alienações existentes no cristianismo.

9 de outubro de 2017

BRUTALIDADE E ENERGIA

Terceiro trabalho dos goianos combina de forma homogênea brutalidade e coesão

Por João Messias Jr.

Race of Disorder
Divulgação
Apesar de manter a fidelidade no som, Race of Disorder, novo trabalho dos goianos do Mugo é surpreendente em muitos aspectos, que serão dissecados linhas abaixo. O mais marcante fica por conta da combinação homogênea de brutalidade, energia e coesão. Músicas trabalhadas e agressivas que não perdem a pegada, dessa forma, gerando momentos quebra pescoço.

Descrição que casa com as faixas Corruption e Terra de Ninguém, que seguramente estarão entre as favoritas dos fãs nos shows. Só que o álbum também apresenta outras nuances. Desde o clima caótico de Deliverance e a grooveada Seeds of Pain mostram novos contornos no som do quarteto.

Só que os ápices ficam por conta de Race of Disorder e Elo Quebrado. Ambas na faixa dos seis minutos, mostram um bom nível técnico, com passagens empolgantes sem perder a brutalidade.

A banda também foi feliz na produção, a cargo de Ciero (Oitão), que acertou nos timbres e deixou tudo na cara, além do acabamento em digipack e uma bela arte que coroa esse belo registro, que será escolha dos melhores do ano na lista de muitos.
www.facebook.com/BANDAMUGO

TALENTO EM ESTADO BRUTO

Aposta no metal tradicional  é o trunfo do novo álbum da banda mineira

Por João Messias Jr.

Leviatã
Divulgação
Para aqueles que não conhecem os mineiros do Exorddium, a banda tem treze anos de estrada, já lançou alguns trabalhos antes de Leviatã. Materiais que serviram para marcar o nome do quinteto no mundo da música. Porém, o novo registro tem tudo para ser a referência dos caras no heavy metal. 

Aqui, o quinteto formado por Eduardo Bisnik (vocal), Fernando Amaral (guitarra), Paulo César (guitarra), Nicolas Cortelete (baixo) e Jailson Douglas (bateria) não fugiu das raízes do metal tradicional, porém injetou uma dose de qualidade nas canções, fazendo deste trabalho o ponto alto da carreira.

O som que dá nome ao CD já entrega tudo. Pesada e dona de um refrão apoteótico, já pode ser considerada um clássico da banda. Além de trazer uma saudável referência dos primeiros dias do Eterna, em especial do álbum Shema Israel. Outro som que resgata essa sonoridade é Coração de Aço.

Outros destaques ficam por conta da oitentista Hail e das épicas Brinde a Vida e Dama das Sombras, que fecha o disquinho, que conta com uma boa produção e uma arte que combina com a proposta do grupo.

A única coisa que a banda precisa lapidar é uma linha específica a seguir. Algo que não ofusca o brilho do trabalho dos caras, que tem tudo para surpreenderem ainda mais, pois o potencial é evidente.

www.facebook.com/PerfilExorddium

18 de setembro de 2017

A CONCILIAÇÃO DE DINÂMICA E REFRÃO

Quarteto gaúcho alia sonoridade moderna com músicas para se cantar junto

Por João Messias Jr.

Manipulation
Divulgação
Convenhamos que aliar uma sonoridade pesada e atual com refrãos de fácil assimilação não é algo
diferenciado hoje em dia. Mas a forma como se pratica essa mistura é. Algo que o quarteto gaúcho fez bem em seu primeiro trabalho, o álbum Weakless Machine, chamado Manipulation.

Impressão que é passada logo na faixa que nomeia o disquinho. Ritmo tribal com muito groove e dinâmica tomam conta da canção, além de vocais limpos bem encaixados. Get Ready começa com uma bateria veloz e ao seu decorrer ganha andamentos cadenciados e  solos de tirar o fôlego.

Ainda é só o começo. Tarred With the Same Brush é bem  pula pula e Burning All é daquelas pra cantar junto, assim como Tribal Wars, que também deve deixar o pescoço em frangalhos. Unbroken tem vocais limpos e uma linha contagiante e alterna momentos cadenciados e agressivos.

Agregam muito as canções a produção feita por Renato Osório (Hibria) e o acabamento em digipack que reforçam a boa impressão que temos nas canções, Afinal, é muito melhor ter TODO o produto do que parte dele.

Só que o melhor fica por conta da inusitada balada Death Knocks on my Door. que é quase acústica e surpreende o tempo todo, principalmente na hora do refrao. 

O quarteto formado por Jonathan Carletti (voz), Fernando Cezar (guitarra), Gustavo Razia (baixo) e Luke Santos (bateria) estreou bem em seu primeiro registro, cuja sonoridade agradará em cheio fãs de formações como In Flames (atual) e Linkin Park e grupos de metalcore, que aliam de forma (quase) perfeita dinâmica e refrão.

Vamos aguardar os próximos passos dos gaúchos.

O LEVANTE GANHA UM NOVO NOME

Duo brasiliense aposta em temática baseada na cultura indígena

Por João Messias Jr.

Invasão Alienígena
Divulgação
Já pensou em um movimento que canta sobre a história do país, resgatando fatos do passado usando elementos da cultura e ainda registram eventos e discos? Sim, o Folk Metal cabe nesta descrição, mas não é dele que falo, mas sim do Levante do Metal Nativo, nicho da música pesada que tem como nomes de destaque formações como Voodoopriest, Armahda e Tamuya Thrash Tribe. Corrente que ganhou um novo nome, a banda Tupi Nambha, cujo primeiro fruto é o EP Invasão Alienígena.

Marcos Loiola (vocal) e Rogério Delevedove (guitarra) não se contentaram apenas em cantar sobre a tribo tupinambá, mas sim cantar na língua indígena e abordar todos os temas voltados a esse povo. Musicalmente a banda funde os ritmos tribais com o peso do metal, mistura que lembra muito a Nação Zumbi, grupo que contou com o folclórico e saudoso Chico Science.

Vamos falar um pouquinho das faixas. O som que nomeia o trabalho lembra um pouco o Metallica e tem uma linha pra cantar junto. Já Antropofagia tem mais groove e o lance tribal e introspectivo que manda nela. 

Tribo em Guerra é empolgante e possui um refrão que soa como um mantra. Porém o melhor fica para as três últimas faixas. Galdino Pataxó é dançante, dona de um ritmo que alegra e contagia enquanto Feiticeiro e Ayamasca o peso sabbathico são predominantes.

O Levante continua ganhando nomes aos quatro cantos do país.
www.facebook.com/TupiNambhaOficial

11 de setembro de 2017

EM BUSCA DA IGUALDADE

Trio aposta em sonoridade calcada no Death e Thrash dos anos 80 e 90

Por João Messias Jr.

Omnia Mors Aequat
Divulgação
Uniformidade é o conceito presente em Omnia Mors Aequat, álbum de estreia da banda Odium Hominum, cujo nome é baseado numa carta escrita por um senador romano que buscava a igualdade entre os povos. talvez essa a grande busca da humanidade, ou ao menos para alguns.

Conceito que é "banhado" na mescla de Death, Thrash, Black e Doom que chama a atenção pela habilidade dos músicos e pelas canções trabalhadas. Descrição que aparece em A Life Damned to Hatred, que além das características citadas acima, tem como ponto alto os vocais agonizantes.

Falando em vozes, elas são o trunfo do trabalho. Guturais e berros são o diferencial aqui, pois estão equilibradas, sem atropelos e assim, geram bons momentos como em War Tales.

Já War Blood Dishonour chama a atenção pelo ritmo cadenciado, enquanto The Spell of Goddess of Destruction que é trabalhada e com vocais mais lentos , que não chegam a ser Doom. A canção também chama a atenção pelas guitarras bem Slayer, em especial de álbuns como Show no Mercy e Hell Awaits.

O que é interessante ao ouvir o disquinho é que embora as músicas tem total referência aos cenários do Death e Thrash dos anos 80 e 90, nada aqui soa batido. Principalmente por causa da produção, feita por Victor Próspero (Absyde, ex-Justabeli e Necromesis) junto com a banda, que está clara.

Se hoje vivemos num cenário desigual, que predomina bandas que investem pesado (nos mais variados sentidos), cabe aos headbangers buscarem ouvir as bandas e fazer seu próprio julgamento, sem se deixar influenciar pelo que aparecem em sites ou revistas.

SEM SOAR COMO CÓPIA

Cariocas apostam no thrash oitentista com passagens cadenciadas e trabalhadas

Por João Messias Jr.

Breathing Hate
Divulgação
Tarefa complicada ouvir, absorver e resenhar discos num espaço tão curto de tempo. O quesito complicado reside no fato de passar o recado em poucos caracteres, sem soar como um sermão ou um TCC. Felizmente existem bandas que facilitam a vida, como a galera do Forkill, com o álbum Breathing Hate, cuja capa feita por Marcus Venicius chama a atenção logo de cara.

Claro que o nome e o título entregam que estamos diante de uma banda de Thrash Metal que bebe nos anos 80, mas a galera composta na época por Joe Neto (voz e guitarra), Ronnie Giehl (guitarra), Gus NS (baixo) e Marc Costa (bateria) aposta em sons mais pesados, dinâmicos e trabalhados.

A intro climática de Frequency of War abre caminho para a faixa que nomeia o disquinho. que nos seus seis minutos, ganha velocidade aos poucos em meio aos momentos cadenciados e trabalhados. Vendetta chama a atenção pela variação de vozes, enquanto os momentos mais viscerais ficam por conta de War Dance e The Joker.

Brainwashed começa flamenca e ganha riffs poderosos e que nos traz na mente bandas como Nuclear Assault (a exceção dos vocais). Após o interlúdio de Radio, temos uma curta versão (pouco mais de um minuto) e Metal Mania (Robertinho do Recife) com a participação do Stress (outro ícone do metal nacional). O que foi uma grande sacada, pelo fato de ser uma canção que não foi over martelada.

Breathing Hate apresenta mais alguns momentos dignos de nota. A produção feita por Robertinho do Recife e a embalagem em digipack e um encante que vira poster, fazendo deste disquinho um trabalho digno de elogios.

Que felizmente não soa como cópias não autenticadas dos discos da Woodstock lançados no Brasil nos anos 80.

4 de setembro de 2017

SEMPRE COM QUALIDADE

Goianos mergulham no Heavy Rock em Wing Seven

Por João Messias Jr.

Wing Seven
Divulgação
Para muitos o Sunroad pode parecer uma banda nova, mas essa rapaziada guiada pelo  baterista Fred Mika vem construindo sua trajetória desde 1996 e hoje chega ao seu nono registro, o álbum Wing Seven.

Em toda a carreira, a banda nunca se importou em figurar em apenas num nicho musical e com o novo trabalho não foi diferente. Agora acompanhado de André Adonis (voz), Netto Mello (guitarra), Mika e o recém integrado Pedro Jordan (baixo) mergulham no Heavy Rock dos anos 80. Mistura que gera músicas marcantes como Destiny Shadows e White Eclipse.

Mas o lance não para por aí. In the Sand é inspirada pelo Hard Rock e Misspent Youth é bem pesada. Outros bons momentos ficam por conta de Whatever e Drifting Ships, essa uma baladaça pesadona e com uma bela atuação do vocal. Que ainda rouba a cena em Craft of Whirlwinds, a melhor do disquinho, dona de uma energia que contagia.

A bolachinha se encerra com a bela e longa Last Sunray in the Road. Intimista e com mais uma bela interpretação de Adonis, é daquelas que merecem sempre um 'repeat', de tão bonita que é.

Produção competente, músicas emblemáticas, capa bonita e um vocalista fora de série são alguns dos fatores que evidenciam que Wing Seven venceu. E se ainda não se convenceu, procure assistir um show do grupo, que transborda energia e competência.

BRUTAL E MODERNO

Fúria e modernidade se fundem de forma homogênea no novo álbum do quarteto carioca

Por João Messias Jr.

Red Eyes
Divulgação
Se nos anos oitenta, não eram lançados tantos discos em profusão hoje vivemos o inverso, com tanta coisa rolando e num piscar de olhos acabamos perdendo muita coisa. E o que fazer para ser percebido? Criar um novo conceito ou fazer algo bem feito e consistente?

Uma questão difícil e talvez impossível de ser respondida, mas não há de negar que é absolutamente excitante quando nos deparamos com um material de conteúdo avassalador e contagiante, como Red Eyes, novo álbum da banda carioca Hatefulmurder.

Após a saída do vocalista Felipe Lameira, Renan Campos (guitarra e voz), Felipe Modesto (baixo e voz) e Thomás Martin (bateria) recrutaram Angélica Burns (ex-DIVA) e deram um passo a frente na luta por um lugar ao sol.

O peso do Death/Thrash se fundem com uma roupagem moderna e vozes limpas feita pela galera das cordas e que somado ao groove e aos vocais brutais de Angélica, temos um disco que faz bonito e que agradará aos fãs de música pesada.

Começando da capa, quase toda em branco e com uma imagem forte e marcante (baseada na Roda, de Leonardo da Vinci) que chama a atenção e nos interessa em saber o que o quarteto quer passar. Tarefa cumprida com louvor, que dá as caras logo em Silence Will Fall, que mescla brutalidade e groove, além de mostrar o acerto na escolha da vocalista no grupo. Red Eyes é um hino de guerra, com frases marcantes e um outro atrativo: o contraponto de vozes limpas e agressivas.

Outros destaques ficam por conta de Riot e eTear Down, ambas feitas para os palcos. A primeira pelo refrão marcante e a segunda pela dinâmica das guitarras. Time Enough to Last conta com a participação de May "Undead" Puertas (Torture Squad, ex-Necromesis) que mantém o nivel alto. Creature of Sorrow encerra este ótimo trabalho, seguramente o melhor do quarteto em sua história e MERECE ser conhecido por mais pessoas.

Vale dizer que neste momento a banda está dilacerando pescoços numa tour que abrange vários estados do país ao lado da Torture Squad, Reckoning Hour e Warcursed Se estiver por perto, não deixe de conferir o som da banda.

21 de agosto de 2017

ELEMENTO SURPRESA

Famoso algo a mais é característica marcante no álbum dos gaúchos

João Messias Jr.

A Glimpse of Illumination
Divulgação
Conhecidos por suas estadias em grupos como Distraught, Apocalypse e Vômitos e Náuseas, Márcio Machado (vocal), Marcos Machado (guitarra), Magoo Wise (baixo) e Cristiano Hulk (bateria) resolveram juntar forças e fundar um nova banda, batizada de Axes Connection.

União que logo soltou seu o álbum A Glimpse of Illumination. Contando com uma boa produção, orgânica e que chama a atenção por instrumentos e vozes estarem "na cara" do ouvinte. Aqui se mostrou ser uma boa escolha, principalmente por apostarem no bom e velho metal tradicional.

Porém, o atrativo fica pelo elemento "inesperado" dar o ar da graça por momentos aqui e acolá, gerando inquietude e surpresa. Junto ao clima setentista de The Meaning of Evil, temos vocalizações agudas e narrativas. Narrações que soam como um vinil numa rotação mais baixa.

Rearrange Yourself é mais arrasa-quarteirão e com uma atuação notável do baterista, que vai de Neil Peart (Rush) ao Thrash Metal, enquanto Wisdom Is the Key é maluca. Com vocais que se alternam entre discursados e agudos, além do baixo estalando a lá Steve Harris (Iron Maiden) e DD Verni (Overkill). Prepare Your Soul é o ápice do trabalho. Em flertes com o Hard Rock, temos uma canção feita para ser sucesso nos shows.

Pique que é mantido em The Gates, pelo conjunto ter trabalhado bem agressividade e melodia. Skyline é bem climática/progressiva e tem tudo para agradar aos fãs de Apocalypse.

Lembra que comentei do elemento inesperado? Ele volta com toda a força em The True Connection. Até o terceiro minuto, a canção é repleta de peso, depois ganha intensidade e um clima bem intimista que beira o virtuosismo.

Para aqueles que tem a versão em CD, após essa faixa temos uma versão escondida para She Sells Sanctuary (The Cult) que se mostrou ser uma boa escollha, fugindo do óbvio, que seria fazer Iron Maiden ou Judas Priest.

O que pode dividir opiniões fica pelo timbre agudo e ardido do cantor, mas isso é algo que os fãs deverão decidir. Vamos ver o que o futuro reserva aos veteranos.

A CRUZADA DAS OITO CORDAS

Virtuosismo e peso saltam aos olhos em novo trabalho de guitarrista

Por João Messias Jr.

Sand Crusader
Divulgação
Conhecido do blog, o guitarrista paraense Wael Daou, dá as caras novamente, desta vez com um álbum, Sand Crusader recheado de muitas novidades

A primeira, que não chega a ser inédita fica por conta da abordagem dada a guitarra. Apesar de usar um instrumento de oito cordas, pouco ou nada tem a ver com bandas como Meshuggah e Korn. Sim, temos uma massa sonora feita para implodir pedras, mas com um senso melódico que, somada ao virtuosismo, nos convence do poder de fogo do músico.

Convencimento que salta aos olhos logo na faixa de abertura, Scourge of Humanity, em que apesar do peso e o groove serem predominantes, se tornam secundários perante as habilidades do músico, que mostra referências de Satriani e John Petrucci (Dream Theater) de forma divina.

Se segura que tem mais. Thorns of Joy conta com jogos de vozes pra lá de interessantes enquanto a faixa que nomeia o disco funde o clima oriental (as origens libanesas do músico) com o metal, gerando momentos que mesclam drama e agressividade. The Awakening é dividida em duas partes. A primeira voltada ao peso e densidade enquanto a segunda mergulha de cabeça no progressivo, sendo um dos ápices desta bolachinha. Power to Believe, conta com momentos virtuosos, narrações e peso e vozes agressivas e Mira encerra o disquinho de forma épica, soando como uma trilha de filme.

Mas não acabou. A versão enviada ao blog conta com três CDs. O primeiro descrito acima, o segundo com versões atualizadas do primeiro EP e um DVD com animações em vídeo para as canções dos dois trabalho e playthroughs.

Tudo numa produção caprichada feita pelo músico e um acabamento feito por Brendan Duffrey (Voodoopriest), e embalada num digipack caprichado.

Embora estejamos em agosto e muita coisa sendo lançada, Sand Crusader é forte candidato aos melhores trabalhos de 2017. Duvida? Ouça!

7 de agosto de 2017

VITÓRIA DA PERSISTÊNCIA

Após idas e vindas, banda retoma as atividades e lança single

Por João Messias Jr.

Absurdium
Divulgação
Não se trata de algo novo, mas corriqueiro para aqueles que não deixam os ideais morrerem. Quando se é adolescente, aquele sonho de montar um grupo, fazer shows e lançar discos é algo que todos que se aventuram pela música querem fazer. Porém, com o passar dos anos, novas responsabilidades e até uma nova forma de se pensar entram na vida como um rolo compressor. Aí temos de fazer escolhas, que nem sempre são os nossos ideais.

Essa linha de pensamento casa com a banda que resenharemos hoje, o Absurdium. Formada com o nome Healer, teve as atividades iniciadas no ano 2000 e após mudar para o atual, sofreu com as mudanças de formação e incertezas. Até que em 2015, o grupo retorna com uma nova formação, tendo Eric Kiriyama (guitarra), Wagner Fassi (bateria e vox) e Marcilio Spiti (baixo e voz). Com esse time lançaram o single Serpents of the Infernal War.

Bem produzido e com uma capa legal, o som do grupo também não decepciona. Transitando entre diversas escolas do Death Metal, apresenta momentos trabalhados a outros com muito peso e groove. Os vocais brutais e berrados são balanceados, dessa forma permitem uma audição tranquila do trabalho. Apesar de uma música não ser o melhor caminho de se avaliar um grupo, os caras mandaram bem e deixa uma boa impressão para os próximos lançamentos.

Uma vitória da persistência e competência musical.

6 de agosto de 2017

AINDA TEMOS MAIS...

Segundo DVD da coletânea de clipes, aposta em repertório que passeia do Thrash ao Rock and Roll

Por João Messias Jr.

DVD Roadie Metal Vol. 1
Divulgação
Pois é, não bastou ousar fazendo uma coletânea de vídeos, mas sim bolar um DVD duplo, no qual a primeira parte fora comentada na semana passada, segue agora a segunda parte deste projeto, que aqui tem um caráter mais eclético, indo do Thrash ao Rock and Roll.

Elephant Casino - Believe: Com um vocal extremamente talentoso, o grupo chama a atenção pela sua forma de fazer Hard Rock. Não espere nada influenciado por Poison e Ratt, mas sim aquela linha mais introspectiva de grupos como Kings X, Galactic Cowboys e Dr. Sin da fase Insinity. Os solos de guitarra limpos e bem encaixados também se destacam.

SuperSonic Brewer - Blood Washed Hands: O ponto alto do disquinho. As gravações do EP são o cenário desta bela canção, que no começo soa como algo que o Zakk Wylde fez nos seus primeiros tempos de Pride and Glory ou em carreira solo. Porém o jogo de vozes (caprichadíssimas por sinal) fazem com que essa música funda Hard Rock e Southern Rock com extrema maestria. Para colocar no 'repeat' diversas vezes.

Demons Inside - Remorse Infected of Trauma: Bateria pesadona comandando tudo nesta música bem elaborada e cheia de groove. Alguns momentos lembram o clássico Dehumanizer (Black Sabbath). Só precisam encaixar melhor algumas passagens do vocal pra cair nas graças do público.

Jäilbäit - Take it Easy - Ai o bom e velho Rock and Roll, se não fosse ele, suportar o estresse cotidiano seria mais complicado. Essa é a ideia do quarteto alagoano. Tudo isso permeado por um metal classudo, de vozes esganiçadas e muita energia e como destaque a bela Wanessa Alves. Vale citar que por problemas autorais, hoje a banda se chama Prision Bäit.

Apple Sin - Apple Sin: Representantes do Heavy Metal Tradicional, os mineiros apostam numa ótima produção visual, tendo na canção um instrumental encorpado, voz na medida certa e o grande destaque: solos que nos remetem ao Mercyful Fate.

Cervical - Arquétipo: Energia e uma mensagem de conscientização. Esse é o recado dos cariocas, que transitam entre o metal e o Hardcore. Direto e sem firulas, o som é para pogar.

Galo Azhuu - Bruxa: Outro ponto alto do disquinho. Com mais que bem vindas referências do anos 70, com riffs e solos feitos com maestria e o clima místico da película deu um charme a mais na canção.

Exorddium - Heavy Metal: Assim como o título entrega, estamos diante de um som tradicional, que chama a atenção por ser simples e bem feito. Com referências diretas das primeiras bandas brasileiras do estilo, provaram aqui que "o menos é mais".

Magnéttica - Super Aquecendo: Rock and Roll despojado e feito por excelentes músicos. Apesar das boas intenções, soa deslocado pela coletânea ser "metal demais" para o som dos caras.

Basttardos - Despertar do Parto: Uma banda muito legal, num som que privilegia o peso e as vozes cheias de emoção, num som que transita entre o Hard e o Thrash.

Hellmötz - Wielding the Axe: Groove e peso mandam nesta canção.Num vídeo que lembra muito o modelo usado pelas bandas de Thrash do fim dos 80 e começo dos 90, fazem o cenário desta banda que faz um som bem feito e competente.

Burnkill - Cadáver do Brasil: Mais um exemplo de que o menos é mais. Produção simples, que tem como tema as manifestações que se fundem com os caras mandando seu Thrash de instrumental encorpado e vocais crus, que só precisam ser melhor lapidados.

Fallen Idol - The Boy and the Sea: Imagens de guerras e destruição em primeiro plano com o grupo atuando é a receita da banda, que funde o Doom Metal com o Metal Tradicional, onde o peso e os vocais, cantados de forma natural são os destaques.

The Phantoms of Midnight - Midnight:  Para aqueles que sentem falta daquele Metal Sinfônico de bandas como Nightwish, taí uma banda que podem gostar. Com os teclados na frente e executada por bons músicos, temos uma canção bem construída, porém sem novidades.

Dust Commando - P.O.T.U.S.: Outro ponto alto do disquinho. Instrumental pesado com vozes que vão do Alternativo ao Grunge e Stoner com um instrumental encorpado. Alice In Chains, Soundgarden são algumas referências desta banda que merece ser ouvida por mais pessoas.

Razorblade - Cuts Like a Razor: A bola fora da coletânea. Donos de um instrumental passável e um vocal que remete a grupos como Damien Thorne e Living Death, a banda precisa melhorar alguns pontos, como o vocal e a cozinha. Mas o pior é o vídeo, com imagens de mal gosto e clichês. Se uma banda pretende vislumbrar algo na cena, deve colocar o que tem de melhor a prova. Não o contrário.

Além dos vídeos, o trabalho apresenta extras como depoimentos das bandas participantes e um menu simples e eficaz, junto com uma bela embalagem, citada na resenha anterior.

Apesar deste segundo DVD oscilar mais entre as bandas participantes, assim como o primeiro volume, é uma bela forma de se conhecer novos grupos, talvez tendo alguns deles como suas futuras bandas de cabeceira.

31 de julho de 2017

O LANCE FEITO DA FORMA CORRETA

DVD duplo reúne 32 bandas de diferentes estilos dentro do metal

Por João Messias Jr.

DVD Roadie Metal Vol 1
Divulgação
Por incrível que pareça, as coletâneas ainda são vistas por muitas pessoas como um balaio de gatos, onde fatores musicalidade e potencial não aparecerem de forma combinada, são o principal motivo de muitos não acreditarem neste tipo de trabalho.

Para que este tipo de negócio passe batido pela descrença é necessário um foco maior na qualidade musical, um projeto gráfico de primeira e talvez o maior atrativo: a condição de igualdade entre os grupos participantes.

Temos alguns exemplos que seguiram a risco como as coletâneas que as saudosas revistas Valhalla e Metal Mission fizeram num passado não tão distante. E em 2017 temos mais um nome de destaque para esta seleta lista: a Roadie Metal Vol 1, que reune 32 bandas em dois DVDs.

Mantendo o mesmo padrão gráfico dos CDs coletânea, o DVD vem com um excelente acabamento gráfico, com livreto e o mais importante: um encarte democratizado, onde TODAS as bandas entram com igualdade para conquistar o gosto de quem está do outro lado na poltrona.

A resenha de hoje será da primeira parte, cujo foco são as bandas mais extremas. E cumprindo com o quesito democracia, segue um vídeo a vídeo de cada uma das participantes:

Voodoopriest -  Juggernaut: Não havia melhor forma de se iniciar esse trabalho. Talvez a melhor banda de Death/Thrash nacional que aqui figura com um dos seus clássicos. Pesada, intensa e com uma linha pra cantar junto, perfeita para os palcos. Não é a toa que o vídeo foi gravado no Hangar 110. Outros destaques ficam pela dinâmica das guitarras, que fizeram a diferença aqui.

Tellus Terror - Bloody Vision:  Os cariocas mandam um Death/Black variado, com um excelente trabalho do vocalista Felipe Borges, que vai do operístico ao gutural, se saindo bem em ambos. O mais legal é que os integrantes da banda são os atores da película, num cenário totalmente dark, inspirado numa espécie de tribunal. Manteve o nível.

Death Chaos - House of Madness: Sangue e tortura são os ingredientes escolhidos por estes paranaenses. Num cenário onde prevalece por quase todo o tempo a banda ao vivo, com cenas isoladas de violência, se sairam bem com seu Death Metal agressivo e caótico.

Krucipha - Reason Lost: Se a sua praia for um Thrash cheio de groove com elementos da música brasileira, tai a banda. As cenas de cárcere privado mescladas com a banda em ação foram bem feitas, mostrando que não é necessário buscar banda gringa para curtir.

Division Hell - Bleeding Hate: Simples e bem feito. Com foco na performance com alguns efeitos aqui e ali, mostrou o poder do grupo nesta canção, cujo destaque ficam para os solos, que nos remete a referências como o Heavy Tradicional e a música clássica.

Tribal - Broken: Curiosa mistura de groove com climas minimalistas é a receita deste quarteto curitibano. Num vídeo que mostra a banda em ação mesclada a imagens que se passam por dentro do corpo humano. Trabalho bem feito, mas que dividirá opiniões.

No Trauma - Fuga: No esquema "quem sabe faz ao vivo", a banda optou por fazer uma gravação num espaço a céu aberto para que todos pudessem sacar o metalcore direto e reto praticado por eles.

Core Divider - No War: Pancadaria cheia de groove influenciada pelos momentos mais agressivos do Pantera. Formada por ex-integrantes da Skin Culture. A escuridão presente no video combinou com o clima de desespero emitido pelo grupo.

Monstractor - Immortal Blood: Taí uma banda que a galera deveria conhecer, graças ao seu Thrashão classudo com toques de Motorhead em mais uma película que tem como foco a performance.

Vorgok - Hunger: Esse grupo carioca tem tudo para ser a preferida dos thrashers. Formada por ex-integrantes de bandas como Explicit Hate e Necromancer, os caras chamam a atenção pela velocidade e coesão.

Heavenless - Hatred: Trio potiguar apresenta um Death Metal que bebe no lado tradicional do estilo. cujo vídeo tem como tema as atrocidades ocorridas pelo mundo, como a Ku Klux Klan e os ataques as mesquitas.

Matricidium - The Beating Never Stops: Aqueles que viveram o ápice das guerras entre as tribos urbanas sentirão arrepios ao assistirem este vídeo, embalado pelo metal da morte, muito bem executado pelo trio.

Forkill - Vendetta: Mais Thrash na área. O quarteto mete os pés no peito do ouvinte num cenário que mostra o verdadeiro lugar das bandas do estilo: o palco.

Ninetieth Storm - Death Before Dishonor: Sexteto capixaba aposta na agressividade do Deathcore e assim como a Heavenless, funde imagens de tragédias com a banda em ação.

Usina -  Destruição e Morte: Faixa título do mais novo trabalho do grupo, que mistura groove e extremo, que combinou com o roteiro, com um cenário inspirado no seriado "Oz".

Cursed Comment - Luftwalfe: Coube aos mineiros encerrarem essa primeira parte da coletânea com um vídeo simples, que capta cenas da banda ao vivo com o fundo os aviões alemães que destroçaram com tudo na segunda guerra mundial.

Apesar do foco no extremo, temos sons para todos os gostos e apesar do resultado não ser linear, temos aqui uma oportunidade de se conhecer bandas de forma justa e democrática.

Na próxima semana, a segunda parte do DVD.

JAMAIS JULGUE UMA OBRA PELA CAPA

Técnica, virtuosismo e passagens inusitadas é a receita vencedora do trio paulista

Por João Messias Jr.

Mechanical Healing
Divulgação
Você já deve ter ouvido por aí aquela frase "Jamais julgue um livro pela capa, pois você poderá perder uma história incrível". Pois bem, a citação é a deixa perfeita para a nossa resenha de hoje, o álbum Mechanical Healing, da banda Darchitect.

Se olharmos a capa do trabalho, vem na mente um som na linha de bandas como Heathen e Forbidden. Se esperava algo na linha das bandas acima, pode encerrar a leitura por aqui. Agora, se quer ouvir um baita disco técnico e pesado, continue lendo.

O disquinho abre com Prellude to Illumination, que é começa bem na manha, de forma acústica e depois vira um "sabazão" dos tempos do Ozzy. Porém é Elevate Into Dark que mostra a real intenção dos caras. Death/Thrash com mais peso que velocidade, passagens empolgantes (inclusive quebradeiras) e um solo pra lá de virtuoso que caberia muito bem numa banda de Hard Rock.

A seguinte, S.I.S., a alternância de partes lentas com rápidas e trabalhadas chama a atenção, enquanto Holy Cross apresenta muito groove e peso, sendo perfeita para os shows.

Empolgou? O melhor ainda está por vir com Sabotagem e The Blood on my Hands. A primeira se destaca pela linha de guitarra esperta e inusitada, além de mostrar que música boa pode ser cantada em qualquer idioma. A seguinte é o ápice do trabalho. Em seus mais de sete minutos, temos muito peso, momentos acústicos, viscerais e vozes que vão das limpas até o gutural. Música que encheria de orgulho o saudoso mestre Chuck Schuldiner (Death), que onde quer que esteja, vê que o legado continua.

The Sailor é um curto instrumental que coroa esse belo trabalho e que com toda a certeza deve encher Alex Marras (guitarra), Lucas Coca (baixo/voz) e Gabe Gifoli (bateria) de orgulho, por uma estreia bem cuidada em todos os detalhes. Desde a capa, feita por Joe Pentagno (Krisiun, Motörhead) e um encarte feito por João Duarte (Angra, Korzus, Torture Squad) são ingredientes que fazem de Mechanical Healing um trabalho que tem tudo para cair no gosto dos fãs de um som mais técnico.

Apesar da discordância inicial, a junção capa e música produziram uma história incrível, que com certeza fará com que o nome Darchitect seja reconhecido pelo Brasil e mundo afora.

24 de julho de 2017

TERCEIRO E DECISIVO PASSO

Peso e modernidade são os novos ingredientes de Resilient, novo trabalho do trio de Americana

Por João Messias Jr.

Resilient
Divulgação
O amigo que acompanha a estrada do rock, sabe que não existe uma regra, tampouco um manual de instruções para uma banda chegar ao estrelato. Tentativas, brigas, erros e acertos são elementos presentes na luta das bandas por um lugar ao sol.

Com a Pop Javali não é diferente. São 25 anos de carreira e há tempos contando com Marcelo Frizzo (voz e baixo), Jaéder Menossi (guitarra) e Loks Rasmussen (bateria) viveram de tudo um pouco. De shows vazios até aberturas para os icones Deep Purple e Uriah Heep, lançaram esse ano o seu terceiro álbum de estúdio, Resilient.

Para aqueles que acompanham a carreira dos caras, perceberam que a banda vinha dando uma cara mais pesada e moderna em suas canções. Fato evidenciado no CD ao vivo Live At Amsterdam (2015). E esses elementos aparecem com toda a força, o que agradará alguns e dará aversão a outros, como toda transição.

E como tudo isso funcionou em Resilient?

A New Beginning é um interlúdio de guitarra e abre caminho para Hollow Man, que é pesada e conta inclusive com partes mais viscerais, inclusive na bateria e mostra uma banda mais para o Noturnall do que Van Halen. E essa nova cara não fica restrita a essa música. Drying the Memories e Reasonable mostram que os caras curtiram esse lance mais pesado. Talvez decepcionando aqueles que conheceram a banda por meio de sons como Anything You Want e Healing No More. Já We Had it Coming tem um 'rip off' que convido o leitor a sacar qual é.

Porém, é na segunda metade de Resilient que temos os ápices musicais do disco. Shooting Star tem um instrumental que lembra muito a fase Brutal do Dr. Sin, enquanto Turn Around salta aos olhos com seu clima intimista. Já Undone se destaca pela bela interpretação vocal e um excelente solo. Aliás, vale citar que Jaéder Menossi é um guitarrista que merece ter seu trabalho divulgado a mais pessoas, em especial aquelas que acham que temos apenas caras como Kiko Loureiro (Megadeth, Angra)  e Eduardo Ardanuy (ex-Dr. Sin) como referências.

O encerramento do disquinho vem com dois momentos contrastantes e interessantes. A pesada e agressiva faixa título que mostra um jogo de vocais que une momentos agressivos aos já tradicionais do grupo. Renew Our Hopes é uma espécie de elo de dois mundos, unindo passado, presente e futuro da música do trio.

Junto a música bem feita, temos um projeto gráfico que combina com a proposta da banda, a cargo de João Duarte e uma produção limpa e definida, feita pelos irmãos Andria e Ivan Busic.

Assim como disse quando resenhei Live At Amsterdam, ousar pode não ser a receita para o sucesso, mas se olharmos para grupos como Kiss, Aerosmith, Rush e Metallica, constatamos que o elemento ousadia foi e continua sendo uma constante para a proliferação de seu legado.

18 de julho de 2017

O GRANDE ENCONTRO

Criadores e criatura se encontram em apresentação no Manifesto Bar

Por João Messias Jr.
Fotos: Caike Scheffer

O ano de 2017 é um ano mágico para este que escreve essas linhas. Além de marcar os dez anos do blog, são comemorados os vinte e cinco anos de estrada no rock, além de ser o ano que completo quarenta anos. Porém, a realização de um sonho marcará a minha vida não apenas por alguns dias e meses, porém por toda a vida.

Depois de anos com o desejo incubado, em 2016 resolvi que iria me tatuar e como esse tipo de arte é para toda a vida, teria de ser algo que sempre que mirasse o olhar, teria de me orgulhar. Decidi que seria sobre algo que amo, o rock e seria uma capa de álbum, afinal, antes desses tempos digitais, o que fisgava o futuro fã eram as capas dos vinis.

Voltando no tempo, só um pouco


Nessa época fiquei entre três capas, que terão suas homenagens na pele em outros momentos. A escolhida foi a do álbum Foundation, da banda Hatematter, cujo som e capa me conectaram de imediato. A mescla de metal tradicional, death metal melódico e o clima melancólico de bandas como Nevermore foi a deixa para que a banda ganhasse um fã e a minha pele sua primeira tatuagem, cujos traços tiveram início no dia do músico, 22 de novembro.

Batendo na trave até que o dia chegou


O mais engraçado é que apesar de ter entrevistado a banda e resenhado o Foundation, nunca havia visto a banda ao vivo, às vezes que tentei sempre esbarravam no quase, até que no dia 29 de abril esse encontro finalmente aconteceu.

Engraçado que, nesse dia, a casa teria dois eventos, um fest voltado a música cristã e o show do grupo seria a atração seguinte. Um detalhe merece menção: faziam mais de duas décadas que eu não ia a casa, ainda mais numa jornada dupla, mas a oportunidade seria única, afinal, estava de férias e depois disso, shows seria algo complicado de ir aos sábados.


Depois de conferir o primeiro evento, eis me frente a frente com a banda que prestei homenagem. Contando hoje com Luiz Artur (vocal), André Buck (guitarra), Lucas Emídio (bateria), e os fundadores André Martins (baixo) e Gustavo Polidori (guitarra), a banda subiu ao palco e fez um set especial de uma hora, que além das músicas de seus dois trabalhos de estúdio, Doctrines e Foundation, cujos pontos altos foram Left Hand of God e Ovethrow. 

Como se tratou de uma apresentação mais longa que a habitual, o show teve alguns covers e participações especiais, cujo maior destaque foi para Pinball Map (In Flames), que teve a participação de Victor Cutrale (Furia Inc.).

Uma apresentação profissional sem deixar de lado aquele clima descontraído, o que deu um clima intimista a apresentação, o que deu mais brilho a noite, que para este que escreve essas linhas, foi perfeita!

Pós show


O evento ainda contou com as bandas Amon Amarth Brazilian Tribute (formada por membros da Hatematter) e Eye of the King (King Diamond Tribute) que fez apresentações de alto nível, mas que me desculpem os tributos, a Hatematter detonou em cena. Em mais uma evidência de que temos uma cena forte, que conta com excelentes bandas e músicos, que fazem trabalhos bem produzidos e que só precisam que o público os valorize e os respeitem como devem ser respeitados. 

Pois para falar a verdade, é muito fácil comprar um ingresso do Iron Maiden e se portar como se tivesse numa micareta ao invés de prestigiar uma banda emergente do cenário. Isso tem de mudar já!

E afinal, quantas vezes você teve a oportunidade de mostrar aos criadores a criação que você fez na pele?

Veja outras fotos da apresentação em: