13 de abril de 2017

A UNIÃO DE FORÇAS EM PROL DA CENA

Woslom e Divide partem em tour conjunta, que terá dezesseis shows em dezesseis dias

Por João Messias Jr.
Fotos: Edu Lawless

Cartaz do Evento
Divulgação
Não é novidade pra ninguém que salvo um número pequeno de bandas, a situação não é fácil para a música autoral no Brasil. Alguns detalhes latentes dessa dura realidade são a baixa venda de CDs, a falta de interesse do público nos shows, falta de profissionalismo das bandas e o “medo” (ou preguiça?) em se conhecer novas e promissoras bandas.

O que fazer? Aceitar a situação ou buscar soluções para reverter o quadro? Seria cômodo demais concordar com essa realidade. Mas felizmente temos pessoas que pensam de forma contrária. Numa iniciativa que começa a pegar gosto aqui (junto com apoiadores), as bandas Woslom e a alemã Divide partem para uma tour conjunta, que abrangerá 16 shows em 16 dias, cujo pontapé inicial rolou em São Paulo, no Espaço Som.

Divide
Edu Lawless
Com um bom público na casa, o Divide deu início a sua apresentação às 21h10. Daniel Stelling (vocal e guitarra), Nils Köhnken (baixo) e Mortiz Paulsen (bateria), fazem um híbrido de death e thrash metal, que tem como pontos altos o instrumental intrincado e muita variação. Uma pena que durante boa parte do show alguns problemas na guitarra e voz não permitiu que ouvíssemos com total clareza o som dos caras. Alguns exemplos ficaram por conta da excelente The Abyssal Malice e Phalanx. Embora os pontos altos do set foram Mortification of the Flesh e o bem vindo cover para Evil Dead (Death). Versão que contou com a participação do guitarrista do Woslom, Rafael Iak.

Messiah of the Mutilation deu números finais ao show do trio, que contou com uma boa aceitação do público presente.

Woslom
Edu Lawless
Após um curto intervalo para ajustes dos equipamentos, às 22h20, o Woslom mostrou aos presentes o que sempre esperamos deles: uma apresentação explosiva e com entusiasmo. Silvano Aguilera (vocal e guitarra), Rafael Iak (guitarra), André Mellado (baixo) e Fernando Oster (bateria) começaram com  uma trinca do mais recente trabalho, A Near Life Experience, de 2016: Underworld of Aggression, a faixa títilo e Unleash Your Violence, que foram retribuídas com muita satisfação pelos presentes, que retribuíam com muito banging, mesmo com alguns problemas na voz de Silvano.

A seguinte, teve um gostinho especial, o  cover de Thrasher’s Retturn (Bywar). Para executarem a música, Silvano chamou o vocalista do saudoso grupo, Adriano Perfetto (Deathgeist, Timor Trail e fizeram assim mais um ponto alto da apresentação, mesmo com algumas falhas no microfone do cantor.

Uma volta aos tempos do primeiro álbum, Time to Rise foi feita com Beyond Inferno, que teve em sequencia Purgatory, Pray to Kill e o encerramento com Time to Rise. Comprovando a boa fase dos paulistas, são hoje uma das bandas mais “quentes” do país no quesito apresentações ao vivo.

O pontapé da tour foi dado com o pé direito, o que transmite uma visão positiva de como será o giro, que abrangerá as regiões Sul e Sudeste do país.

Esperamos que não fiquemos apenas com essa tour. Que  bandas, bookings e investidores acreditem nesse modelo de negócio e que os fãs voltem a prestigiar os shows. Fazendo que dessa forma, mude o panorama da cena metal nacional, que assim como muitos times de futebol, vivem de alguns lampejos, mas que em maioria deixa a desejar.

Um comentário:

Willian Alves disse...

Excelente resenha João, meus parabéns!!!!