19 de junho de 2017

ENTRANDO NA BRIGA

Trio do ABC paulista entra na briga por um lugar ao sol com o lançamento do EP Palhaço Triste

Por João Messias Jr.

Palhaço Triste
Divulgação
Tempos atrás, escrevi a resenha da apresentação da banda Vint3. Show na ocasião, que marcava o lançamento oficial do seu primeiro trabalho físico, o EP Palhaço Triste. Se ao vivo o trio formado por André Barbosa (guitarra e voz), Nélio Borrozino (baixo) e Gabriel Diego já havia deixado uma boa impressão, as coisas ficam ainda melhores ao ouvir o disquinho.

Praticantes de um som que tem base no rock, mas que flerta bastante com o pop, porém com uma linguagem urbana e jovial, os caras começam metendo os pés no peito do ouvinte (para o estilo é claro) com as pesadas Vida Dura e Mente Louca, que fazem mais bonito do que muita coisa que é executada nas rádios rock da vida.

Mas o pulo do gato aqui são as seguintes. A faixa título, uma homenagem ao ator Robin Williams (1951-2014), que carrega introspecção e melancolia e a festeira Aprendiz, que conta com a participação da vocalista Joana Mellito.

Fora a música, o trio investiu no capricho da apresentação do material, numa embalagem criativa e bonita, além da ótima produção feita por Yuri Bertozzi.

Que tal dar uma chance para aqueles que buscam fazer as coisas corretas ao invés de consumir apenas o que é veiculado na grande mídia? Fica a dica...

5 de junho de 2017

THRASH THRASH THRASH

Primeiro EP do grupo mergulha no espírito oitentista do thrash metal

Por João Messias Jr.

Falange
Divulgação
É aquela, quando velhos amigos se reúnem para fazer um som, é natural que a coisa fique séria. Desde a fundação de um novo grupo, fazer shows e por fim, lançar um material de responsa. Como foi com os thrashers da Falange. Dando as costas para o modernismo musical, os veteranos Luciano Piagentini (vocal), Ivan Miotto (guitarra), Marcelo Colleti (baixo) e o "novato" Diego Henrique (bateria) fazem um thrash metal que é feito pra bater cabeça, sem a preocupação de soar bonitinho.

O EP abre com Destruction of Sky, que chama a atenção pelas partes feitas para bater cabeça e solos bem sacados, além do vocal cru, inspirado em Kurt Bretch (DRI), assim como a seguinte, Madness.Fight mostra novos caminhos no som dos caras, com um groove foda e bem sacado, com bateria quase tribal e partes mais cadenciadas, fazendo dela a melhor da bolachinha.

Mas as seguintes mantém o nível alto. Humano Débilmental tem partes inspiradas nos anjos da morte do Slayer, enquanto Fuck Your Play é para detonar pescoços e Fogueira mescla partes lentas e momentos letais de pura selvageria e solos inspirados. Aliás, as seis cordas do trabalho são exemplo pra muito músico metido a virtuoso, mostrando que o menos é mais, muito mais.

Além da música, o material tem uma capa que nos remete ao estilo e uma produção muito boa, feita no Bay Area Estúdios, que permite que o ouvinte ouça com clareza o som dos caras.

Se for a sua praia aquele thrash metal americano de pegada ora crua, ora agressiva, é uma boa pedida!