31 de julho de 2017

O LANCE FEITO DA FORMA CORRETA

DVD duplo reúne 32 bandas de diferentes estilos dentro do metal

Por João Messias Jr.

DVD Roadie Metal Vol 1
Divulgação
Por incrível que pareça, as coletâneas ainda são vistas por muitas pessoas como um balaio de gatos, onde fatores musicalidade e potencial não aparecerem de forma combinada, são o principal motivo de muitos não acreditarem neste tipo de trabalho.

Para que este tipo de negócio passe batido pela descrença é necessário um foco maior na qualidade musical, um projeto gráfico de primeira e talvez o maior atrativo: a condição de igualdade entre os grupos participantes.

Temos alguns exemplos que seguiram a risco como as coletâneas que as saudosas revistas Valhalla e Metal Mission fizeram num passado não tão distante. E em 2017 temos mais um nome de destaque para esta seleta lista: a Roadie Metal Vol 1, que reune 32 bandas em dois DVDs.

Mantendo o mesmo padrão gráfico dos CDs coletânea, o DVD vem com um excelente acabamento gráfico, com livreto e o mais importante: um encarte democratizado, onde TODAS as bandas entram com igualdade para conquistar o gosto de quem está do outro lado na poltrona.

A resenha de hoje será da primeira parte, cujo foco são as bandas mais extremas. E cumprindo com o quesito democracia, segue um vídeo a vídeo de cada uma das participantes:

Voodoopriest -  Juggernaut: Não havia melhor forma de se iniciar esse trabalho. Talvez a melhor banda de Death/Thrash nacional que aqui figura com um dos seus clássicos. Pesada, intensa e com uma linha pra cantar junto, perfeita para os palcos. Não é a toa que o vídeo foi gravado no Hangar 110. Outros destaques ficam pela dinâmica das guitarras, que fizeram a diferença aqui.

Tellus Terror - Bloody Vision:  Os cariocas mandam um Death/Black variado, com um excelente trabalho do vocalista Felipe Borges, que vai do operístico ao gutural, se saindo bem em ambos. O mais legal é que os integrantes da banda são os atores da película, num cenário totalmente dark, inspirado numa espécie de tribunal. Manteve o nível.

Death Chaos - House of Madness: Sangue e tortura são os ingredientes escolhidos por estes paranaenses. Num cenário onde prevalece por quase todo o tempo a banda ao vivo, com cenas isoladas de violência, se sairam bem com seu Death Metal agressivo e caótico.

Krucipha - Reason Lost: Se a sua praia for um Thrash cheio de groove com elementos da música brasileira, tai a banda. As cenas de cárcere privado mescladas com a banda em ação foram bem feitas, mostrando que não é necessário buscar banda gringa para curtir.

Division Hell - Bleeding Hate: Simples e bem feito. Com foco na performance com alguns efeitos aqui e ali, mostrou o poder do grupo nesta canção, cujo destaque ficam para os solos, que nos remete a referências como o Heavy Tradicional e a música clássica.

Tribal - Broken: Curiosa mistura de groove com climas minimalistas é a receita deste quarteto curitibano. Num vídeo que mostra a banda em ação mesclada a imagens que se passam por dentro do corpo humano. Trabalho bem feito, mas que dividirá opiniões.

No Trauma - Fuga: No esquema "quem sabe faz ao vivo", a banda optou por fazer uma gravação num espaço a céu aberto para que todos pudessem sacar o metalcore direto e reto praticado por eles.

Core Divider - No War: Pancadaria cheia de groove influenciada pelos momentos mais agressivos do Pantera. Formada por ex-integrantes da Skin Culture. A escuridão presente no video combinou com o clima de desespero emitido pelo grupo.

Monstractor - Immortal Blood: Taí uma banda que a galera deveria conhecer, graças ao seu Thrashão classudo com toques de Motorhead em mais uma película que tem como foco a performance.

Vorgok - Hunger: Esse grupo carioca tem tudo para ser a preferida dos thrashers. Formada por ex-integrantes de bandas como Explicit Hate e Necromancer, os caras chamam a atenção pela velocidade e coesão.

Heavenless - Hatred: Trio potiguar apresenta um Death Metal que bebe no lado tradicional do estilo. cujo vídeo tem como tema as atrocidades ocorridas pelo mundo, como a Ku Klux Klan e os ataques as mesquitas.

Matricidium - The Beating Never Stops: Aqueles que viveram o ápice das guerras entre as tribos urbanas sentirão arrepios ao assistirem este vídeo, embalado pelo metal da morte, muito bem executado pelo trio.

Forkill - Vendetta: Mais Thrash na área. O quarteto mete os pés no peito do ouvinte num cenário que mostra o verdadeiro lugar das bandas do estilo: o palco.

Ninetieth Storm - Death Before Dishonor: Sexteto capixaba aposta na agressividade do Deathcore e assim como a Heavenless, funde imagens de tragédias com a banda em ação.

Usina -  Destruição e Morte: Faixa título do mais novo trabalho do grupo, que mistura groove e extremo, que combinou com o roteiro, com um cenário inspirado no seriado "Oz".

Cursed Comment - Luftwalfe: Coube aos mineiros encerrarem essa primeira parte da coletânea com um vídeo simples, que capta cenas da banda ao vivo com o fundo os aviões alemães que destroçaram com tudo na segunda guerra mundial.

Apesar do foco no extremo, temos sons para todos os gostos e apesar do resultado não ser linear, temos aqui uma oportunidade de se conhecer bandas de forma justa e democrática.

Na próxima semana, a segunda parte do DVD.

JAMAIS JULGUE UMA OBRA PELA CAPA

Técnica, virtuosismo e passagens inusitadas é a receita vencedora do trio paulista

Por João Messias Jr.

Mechanical Healing
Divulgação
Você já deve ter ouvido por aí aquela frase "Jamais julgue um livro pela capa, pois você poderá perder uma história incrível". Pois bem, a citação é a deixa perfeita para a nossa resenha de hoje, o álbum Mechanical Healing, da banda Darchitect.

Se olharmos a capa do trabalho, vem na mente um som na linha de bandas como Heathen e Forbidden. Se esperava algo na linha das bandas acima, pode encerrar a leitura por aqui. Agora, se quer ouvir um baita disco técnico e pesado, continue lendo.

O disquinho abre com Prellude to Illumination, que é começa bem na manha, de forma acústica e depois vira um "sabazão" dos tempos do Ozzy. Porém é Elevate Into Dark que mostra a real intenção dos caras. Death/Thrash com mais peso que velocidade, passagens empolgantes (inclusive quebradeiras) e um solo pra lá de virtuoso que caberia muito bem numa banda de Hard Rock.

A seguinte, S.I.S., a alternância de partes lentas com rápidas e trabalhadas chama a atenção, enquanto Holy Cross apresenta muito groove e peso, sendo perfeita para os shows.

Empolgou? O melhor ainda está por vir com Sabotagem e The Blood on my Hands. A primeira se destaca pela linha de guitarra esperta e inusitada, além de mostrar que música boa pode ser cantada em qualquer idioma. A seguinte é o ápice do trabalho. Em seus mais de sete minutos, temos muito peso, momentos acústicos, viscerais e vozes que vão das limpas até o gutural. Música que encheria de orgulho o saudoso mestre Chuck Schuldiner (Death), que onde quer que esteja, vê que o legado continua.

The Sailor é um curto instrumental que coroa esse belo trabalho e que com toda a certeza deve encher Alex Marras (guitarra), Lucas Coca (baixo/voz) e Gabe Gifoli (bateria) de orgulho, por uma estreia bem cuidada em todos os detalhes. Desde a capa, feita por Joe Pentagno (Krisiun, Motörhead) e um encarte feito por João Duarte (Angra, Korzus, Torture Squad) são ingredientes que fazem de Mechanical Healing um trabalho que tem tudo para cair no gosto dos fãs de um som mais técnico.

Apesar da discordância inicial, a junção capa e música produziram uma história incrível, que com certeza fará com que o nome Darchitect seja reconhecido pelo Brasil e mundo afora.

24 de julho de 2017

TERCEIRO E DECISIVO PASSO

Peso e modernidade são os novos ingredientes de Resilient, novo trabalho do trio de Americana

Por João Messias Jr.

Resilient
Divulgação
O amigo que acompanha a estrada do rock, sabe que não existe uma regra, tampouco um manual de instruções para uma banda chegar ao estrelato. Tentativas, brigas, erros e acertos são elementos presentes na luta das bandas por um lugar ao sol.

Com a Pop Javali não é diferente. São 25 anos de carreira e há tempos contando com Marcelo Frizzo (voz e baixo), Jaéder Menossi (guitarra) e Loks Rasmussen (bateria) viveram de tudo um pouco. De shows vazios até aberturas para os icones Deep Purple e Uriah Heep, lançaram esse ano o seu terceiro álbum de estúdio, Resilient.

Para aqueles que acompanham a carreira dos caras, perceberam que a banda vinha dando uma cara mais pesada e moderna em suas canções. Fato evidenciado no CD ao vivo Live At Amsterdam (2015). E esses elementos aparecem com toda a força, o que agradará alguns e dará aversão a outros, como toda transição.

E como tudo isso funcionou em Resilient?

A New Beginning é um interlúdio de guitarra e abre caminho para Hollow Man, que é pesada e conta inclusive com partes mais viscerais, inclusive na bateria e mostra uma banda mais para o Noturnall do que Van Halen. E essa nova cara não fica restrita a essa música. Drying the Memories e Reasonable mostram que os caras curtiram esse lance mais pesado. Talvez decepcionando aqueles que conheceram a banda por meio de sons como Anything You Want e Healing No More. Já We Had it Coming tem um 'rip off' que convido o leitor a sacar qual é.

Porém, é na segunda metade de Resilient que temos os ápices musicais do disco. Shooting Star tem um instrumental que lembra muito a fase Brutal do Dr. Sin, enquanto Turn Around salta aos olhos com seu clima intimista. Já Undone se destaca pela bela interpretação vocal e um excelente solo. Aliás, vale citar que Jaéder Menossi é um guitarrista que merece ter seu trabalho divulgado a mais pessoas, em especial aquelas que acham que temos apenas caras como Kiko Loureiro (Megadeth, Angra)  e Eduardo Ardanuy (ex-Dr. Sin) como referências.

O encerramento do disquinho vem com dois momentos contrastantes e interessantes. A pesada e agressiva faixa título que mostra um jogo de vocais que une momentos agressivos aos já tradicionais do grupo. Renew Our Hopes é uma espécie de elo de dois mundos, unindo passado, presente e futuro da música do trio.

Junto a música bem feita, temos um projeto gráfico que combina com a proposta da banda, a cargo de João Duarte e uma produção limpa e definida, feita pelos irmãos Andria e Ivan Busic.

Assim como disse quando resenhei Live At Amsterdam, ousar pode não ser a receita para o sucesso, mas se olharmos para grupos como Kiss, Aerosmith, Rush e Metallica, constatamos que o elemento ousadia foi e continua sendo uma constante para a proliferação de seu legado.

18 de julho de 2017

O GRANDE ENCONTRO

Criadores e criatura se encontram em apresentação no Manifesto Bar

Por João Messias Jr.
Fotos: Caike Scheffer

O ano de 2017 é um ano mágico para este que escreve essas linhas. Além de marcar os dez anos do blog, são comemorados os vinte e cinco anos de estrada no rock, além de ser o ano que completo quarenta anos. Porém, a realização de um sonho marcará a minha vida não apenas por alguns dias e meses, porém por toda a vida.

Depois de anos com o desejo incubado, em 2016 resolvi que iria me tatuar e como esse tipo de arte é para toda a vida, teria de ser algo que sempre que mirasse o olhar, teria de me orgulhar. Decidi que seria sobre algo que amo, o rock e seria uma capa de álbum, afinal, antes desses tempos digitais, o que fisgava o futuro fã eram as capas dos vinis.

Voltando no tempo, só um pouco


Nessa época fiquei entre três capas, que terão suas homenagens na pele em outros momentos. A escolhida foi a do álbum Foundation, da banda Hatematter, cujo som e capa me conectaram de imediato. A mescla de metal tradicional, death metal melódico e o clima melancólico de bandas como Nevermore foi a deixa para que a banda ganhasse um fã e a minha pele sua primeira tatuagem, cujos traços tiveram início no dia do músico, 22 de novembro.

Batendo na trave até que o dia chegou


O mais engraçado é que apesar de ter entrevistado a banda e resenhado o Foundation, nunca havia visto a banda ao vivo, às vezes que tentei sempre esbarravam no quase, até que no dia 29 de abril esse encontro finalmente aconteceu.

Engraçado que, nesse dia, a casa teria dois eventos, um fest voltado a música cristã e o show do grupo seria a atração seguinte. Um detalhe merece menção: faziam mais de duas décadas que eu não ia a casa, ainda mais numa jornada dupla, mas a oportunidade seria única, afinal, estava de férias e depois disso, shows seria algo complicado de ir aos sábados.


Depois de conferir o primeiro evento, eis me frente a frente com a banda que prestei homenagem. Contando hoje com Luiz Artur (vocal), André Buck (guitarra), Lucas Emídio (bateria), e os fundadores André Martins (baixo) e Gustavo Polidori (guitarra), a banda subiu ao palco e fez um set especial de uma hora, que além das músicas de seus dois trabalhos de estúdio, Doctrines e Foundation, cujos pontos altos foram Left Hand of God e Ovethrow. 

Como se tratou de uma apresentação mais longa que a habitual, o show teve alguns covers e participações especiais, cujo maior destaque foi para Pinball Map (In Flames), que teve a participação de Victor Cutrale (Furia Inc.).

Uma apresentação profissional sem deixar de lado aquele clima descontraído, o que deu um clima intimista a apresentação, o que deu mais brilho a noite, que para este que escreve essas linhas, foi perfeita!

Pós show


O evento ainda contou com as bandas Amon Amarth Brazilian Tribute (formada por membros da Hatematter) e Eye of the King (King Diamond Tribute) que fez apresentações de alto nível, mas que me desculpem os tributos, a Hatematter detonou em cena. Em mais uma evidência de que temos uma cena forte, que conta com excelentes bandas e músicos, que fazem trabalhos bem produzidos e que só precisam que o público os valorize e os respeitem como devem ser respeitados. 

Pois para falar a verdade, é muito fácil comprar um ingresso do Iron Maiden e se portar como se tivesse numa micareta ao invés de prestigiar uma banda emergente do cenário. Isso tem de mudar já!

E afinal, quantas vezes você teve a oportunidade de mostrar aos criadores a criação que você fez na pele?

Veja outras fotos da apresentação em: